Futuros Criativos

Economia e Criatividade em Cabo Verde,
Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

A economia criativa é entendida como um conjunto de actividades em que a criatividade enquanto capacidade de criar o novo ou de reinventar o velho se torna catalisadora de valor económico. Representa cerca de 6 % do PIB mundial e tem estado em forte crescimento nos países do hemisfério Sul.

É uma vertente da economia que valoriza a diversidade cultural, as especificidades e identidades locais, transformando-as em recursos económicos e gerando emprego. Contribui também para a auto-imagem das comunidades, coesão social e sustentabilidade ambiental e social. Por outro lado, alguns dos valores e estratégias da economia criativa apresentam-se actualmente como factores chave do desenvolvimento dos países: inovação, respeito pela biodiversidade, cooperação e colaboração, solidariedade, valorização dos recursos locais.

O projecto Futuros Criativos: A Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento em Cabo Verde, Guiné-Bissau e S. Tomé e Príncipe intervém nestes três países de pequena dimensão que se caracterizam por uma economia pouco diversificada, elevadas taxas de pobreza e/ou de desigualdade, processos de urbanização acelerada, com fortes níveis de desemprego e desocupação, para uma população maioritariamente jovem.

A economia criativa tem um forte potencial em termos de criação de emprego e de desenvolvimento socioeconómico, porém o seu crescimento está condicionado por diversos constrangimentos como o isolamento dos produtores/criadores e pouco trabalho em rede; ou o pouco acesso a formação especializada nas várias áreas da economia criativa, além do fraco aproveitamento do potencial das TIC, entre outros desafios. Existem contudo iniciativas em diversos domínios criativos nos 3 países que representam um potencial para alargamento em quantidade e diversidade de iniciativas criativas.